E estar apaixonada, e de alguma forma abnegar. Sentir-se livre para abnegar. Não o amor, não você, seus braços ou seu riso fácil, mas sentir-se tão livre no amor, tão livre e segura que eu poderia correr uma maratona sem cansar meus pés. Porque tenho essa sensação como tocar o chão com meus pés depois de uma longa festa, a mesma festa que quero ir com você, dançar e celebrar você. Eu quero viver tantas coisas, quero compartilhar tantos sentimentos, campos, lagos. Acho que estou pronta. Você me fez perceber que estou aberta, como se não houvesse outra opção, como se não houvesse outra opção de ser ou sentir além desta. Não tenho outra opção a não ser amar. E respirar…apesar do vírus: respirar. E apesar do vírus: caminhar. Adoro o fato de você gostar de caminhar pela cidade de mãos dadas e me encarar por horas. Posso sentir seus olhos em mim. De repente, estou sendo olhada. De repente, existo. Não como se eu precisasse dos seus ou de outros olhares para existir, não estou falando de permissão, estou falando de vibração. Você me faz evaporar. E se a minha garganta fica seca, a culpa é sua. Sempre tenho que carregar uma garrafa d’água ou um batom. Você não tem medo do meu batom. Você não tem medo do meu toque. Você não tem medo das minhas palavras, mas que eu o deixe. Como se eu quisesse ir a outro lugar. Na verdade, sim! Eu quero voar! Porque, de repente, este amor também me deu asas. Mas você não consegue ver? Você já existe dentro de mim e eu me sinto como um VULCÃO!! Explodindo felicidade, alegria, emoções, miando para suas selfies e suas ligações estranhas, estranhas mensagens de voz. Às vezes me sinto insegura. Nós dois sabemos como causar isso um no outro, uma ansiedade que admito, talvez eu precise. Mas você sabe como cuidar de mim. Você cuida de mim, querido. E quando me sinto fraca, você me alimenta com suas piadas estúpidas, seus beijos e seu cheiro. Achei que não gostaria do cheiro de alguém tanto quanto gosto do seu. E mesmo longe eu posso sentir o seu cheiro. É animal. Também é um pouco assustador. A química. Isso soa estranho? É muito cedo? Não é justo não viver isso, você disse que merecíamos viver isso. E de alguma forma estou pronta para absorver e ser absorvida por este mar de alegria e prazer. Conversar sobre a paisagem. Eu quero um mergulho profundo com você. Sob lua, sim, a cena toda. Eu sei que você gosta da cena, foi assim que eu o conquistei. Porque você sabe que o desejo é real, e nós carregamos esse impulso insustentável de sentir algo, de estar desejando algo. O não pode — viver — sem. E agora, você quer brincar? E se você acha que vou correr, desaparecer, escorregar por entre seus dedos, talvez eu vá. Também é da minha natureza ser matéria escorregadia, manteiga. O calor, o suor. E é por isso que eu adoro o inverno, faz minha pele mudar de textura. E se eu lhe digo que quero amá-lo no inverno, é porque quero que você fique. Fica comigo. Sim, não há outro lugar a não ser dentro de mim agora. Espero que você encontre uma maneira. Nesta longa jornada que estou fazendo, às vezes penso que está apenas começando, mas como já lhe disse uma vez, sinto que às vezes não tenho muito tempo, mas ainda posso passar um, dois, três dias, uma semana e mais outra e desfrutar do silêncio e de sua música francesa. E seus olhos, mais uma vez, eu posso sentir, eu posso sentir você aqui! Estou apontando agora para o meio do meu peito, não está mais no meu estômago, mas acima, e eu quero gritar! Eu quero dizer o seu nome, como você diz meu o nome, como se você tivesse nascido sabendo. Este amor vai me deixar louca, não sei quanto tempo nos resta, mas não vou mais julgar. Lição aprendida: não julgarei mais. Você vai me partir o meu coração, eu sei. Eu também vou partir seu. Vamos partir e vamos rir, chorar, dançar e ficar sem palavras. Sabemos como fazer um ao outro ficar sem palavras. De alguma forma também sabemos tanto um sobre o outro que me pergunto: estou fingindo? O que está acontecendo? Estarei fingindo toda esta sensação? Como eu poderia fingir? Nesta história não-linear, eu e você, os personagens. Talvez esta seja a primeira vez que me vejo do lado de alguém e seus olhos em mim, novamente, tenho que dizer novamente, eu existo. Será que eu faço você se sentir assim? Eu sei que esta ansiedade no peito é algo que nós dois compartilhamos, não podemos negar. Seremos insuportáveis neste mundo! E eu quero rir! Sim, estou aberta e me sinto viva! Este é, meus adoráveis amigos, o poder da paixão, como disse no primeiro poema que escrevi para você. E quero escrever, você também me faz querer escrever. Não é mais como uma doença que eu precise me livrar. Me sinto inspirada, alimentada, e isso me faz querer mudar e então você aparece e diz: muda, eu também quero mudar. Você quer?

registros do cotidiano

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store